A assembleia é um dos momentos mais importantes para o futuro de um condomínio. É nela que são discutidas pautas relevantes que devem ser analisadas com atenção e colocadas em prática por vias democráticas, através da votação pelos moradores.

 

O Residencial da Praia, realizou na última quinta-feira (28) a primeira Assembleia Geral Extraordinária do ano para discutir três pontos de interesse dos seus moradores: o rateio para substituição das câmeras de segurança, o aumento da taxa de condomínio em virtude do aumento no consumo de água e a eleição de uma nova chapa sindical.

 

Para Juliana Rocha, que é síndica há dois anos, a assembleia poderia ter a presença de mais moradores, já que os temas são pertinentes à realidade do condomínio e requerem atenção de todos. “Os nossos condôminos ainda estão inseguros em relação ao nosso reajuste que será elevado em 28%, não é algo que cause tanta polêmica, porque muitos já estão cientes, porém é preciso maior participação das pessoas nesses assuntos”.

 

Quem mediou o encontro foi a colaboradora da Teodoro Pires, Sara Marques, que de início teve um rápido bate-papo com a síndica, recolheu os nomes de todos os presentes e distribuiu as placas de votação. Na abertura, a síndica chamou a atenção quanto as regras para uso das câmeras, cujas filmagens só podem ser acessadas em casos mais extremos, como furtos, roubos, brigas e atos de vandalismo. A nova medida exige que os moradores determinem data e horário quando quiserem consultar alguma filmagem.

 

Em votação, a ampla maioria optou pela substituição de todo o sistema de câmera que prevê um número maior de equipamentos e a reformulação de todo o sistema que poderá armazenar as filmagens por até 18 dias.

 

A seguir, Rocha explicou aos moradores a situação das despesas de água do condomínio que aumentaram mais de 200% em um mês. Primeiro, houve desconfiança no aumento do consumo, porém, após várias averiguações feitas pela Copasa foi constatado que o hidrômetro esteve parado por tempo indeterminado. Ao ser trocado, o consumo de água passou a ser medido com exatidão, o que refletiu no aumento das despesas.

 

Rocha alertou os moradores da necessidade de elevar a taxa de condomínio para suprir esses novos gastos e acrescentou algumas outras despesas que justificam o aumento, entre elas, a compra de extintores e a limpeza nas caixas d’água – que é feita três vezes ao ano. A nova taxa estabelecida, que não requereu votação, foi compreendida pela maioria e entra em vigor a partir de abril.

 

A assembleia teve encerramento com a reeleição da síndica Juliana Rocha, diante de inexistência de outra chapas disponíveis para candidatura. Em unanimidade, os moradores decidiram que ela continuará sendo responsável pelos assuntos administrativos do condomínio nos próximos dois anos.

 

Texto por: Yuri Santana Iriarte | 29 de março de 2019