Manter o respeito e a educação uns para com os outros é essencial, principalmente quando se trata de

viver em harmonia com a vizinhança

Conviver em coletividade não é fácil, e geralmente em condomínios onde cada um é responsável por

seu espaço, acaba gerando diversos conflitos.

Os problemas de convivência são repetitivos, por isso, os moradores devem ter em mente que quando

surge algum problema, ele deve ser trabalhado com soluções de praticidade e eficácia.

Além disso, a boa vontade e o bom senso são fundamentais, pois algo pequeno pode acabar virando caso

de polícia e muita dor de cabeça no condomínio.

Tudo começa com um erro muito comum entre os moradores de condomínios, que é achar que o síndico

é o responsável por tudo que ocorre. Como, por exemplo, um problema entre moradores que não

interfira na gestão do condomínio, não é responsabilidade do síndico.

“Quando um problema começa a interferir na rotina do prédio, chegando

inclusive a danificar patrimônio do próprio condomínio ou barulhos começam

a incomodar no dia a dia dos outros moradores, aí sim o condomínio deve se

manifestar e o síndico deve chamar as pessoas envolvidas, advertir e e em

último caso, multá-las”, explica Dr. Rodrigo Karpat, especialista em direito

imobiliário e condominial.

O Dr. Rodrigo Karpat listou 6 dicas de como evitar conflitos em condomínios.

1. Confusão em Assembleia

Em muitas vezes para alguns moradores, a assembleia do condomínio é um lugar para arrumar confusão,

pois alguns moradores querem resolver problemas que estão tendo entre si. E o mais importante nesta

hora é que o síndico saiba manter a ordem. Ele deve eleger um presidente e um secretário que precisa

ter pulso firme.

Além disso, precisam avisar os moradores que naquela assembleia só podem ser discutidos os assuntos

que estiverem em pauta, para não dar lugar à discussões desnecessárias.

É bom também estabelecer um horário para aquela reunião comece e termine, para que não haja

atrasos ou uma reunião muito longa.

E em alguns casos a presença de um administrador ou advogado seria importante para terminar de

forma rápida os problemas que entrarem em discussão na hora da assembleia, e com isso, não se

tornaria algo mais agravante ou em situações que envolva as autoridades.

2. Briga entre condôminos

Existe uma linha muito tênue entre um simples andar de salto dentro de uma unidade ou a provocação

do condômino. Se dois moradores estiverem brigando, o condomínio não deve interferir.

Um exemplo, se dois menores estão brigando, poderia realmente desencadear grande confusão.

E o que se deve ponderar neste caso seria: Se as discussões estão interferindo na rotina do prédio, se o

síndico se intrometer, pode acabar virando parte do problema, portanto, se for um caso grave, deve-se

chamar a polícia, ou deixarem que resolvam sozinhas na base do diálogo.

3. Responsabilidades do síndico

O síndico não é responsável por atitudes dos outros, pois ele tem suas obrigações. Porém, muitas vezes

sabemos que existe no síndico o lado profissional, mas ele também é um condômino, e há um limite de

atuação.

Pode-se chegar à extremos, como por exemplo: O síndico ir resolver problemas de um vazamento de pia,

seria algo que não é função dele, e as pessoas precisam entender que a função do síndico é zelar pelo

comum, e não interferir em situações pessoais.

Ele só irá interferir quando o ocorrido afetar na própria rotina do condomínio.

4. Fumar no condomínio

Desde 2014 você não pode fumar em áreas comuns do prédio, e nem na área externa do prédio como a

piscina. A legislação federal já tem este entendimento, entretanto,  não é possível proibir uma pessoa

de fumar dentro da própria unidade.

O morador pode fumar na varanda, mas existe um limitador: a perturbação do sossego, saúde ou a

segurança dos demais moradores, então se ele estiver interferindo no direito alheio, não poderá fumar.

Como, por exemplo: Se ele estiver fumando e joga restos do cigarro para baixo, ele estará interferindo

em uma área comum, o que é proibido. Em caso de fumaça, se ele estiver atrapalhando o apartamento

de cima, um diálogo geralmente tende a resolver.

Mas tudo é questão de ceder, assim como ele pode fumar na área de serviço ao invés da sacada para

equilibrar a situação, o morador incomodado pode fechar a janela.

5. Animais no condomínio

Ter um animal no condomínio muitas vezes, é o exercício regular do direito de propriedade. Pode ter

um animal, desde que respeite alguns limites.

Então é importante que o síndico possa regular que, por exemplo, aquele morador deva sair com esse

cachorro somente pela área de serviço ou a saída pela garagem, para que não haja nenhum problema

entre o dono e um morador que não possua animais.

E caso seja regra do condomínio, animal não deve ficar na área, pois existem limites para quem tem um

animal dentro da unidade, e isso serve para todos os tipos e raças. Temos a convenção e o regimento

interno e as determinações das assembleias para serem seguidas.

6. Responsabilidades de visitantes

O proprietário é sempre o responsável pelo prejuízo que o visitante possa ter causado no prédio, porém,

existe um limite legal.

Se ele quebrar um objeto, interferir em algum equipamento, será realizada a cobrança do valor e ele

irá responder por aquele valor monetário.

Porém, se for uma agressão ou até um caso extremo de morte no condomínio, o proprietário não vai

preso no lugar do visitante. Na esfera criminal, 100% é pessoal e na esfera civil, o proprietário responde.